terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

AS TENTAÇÕES DE JESUS

Resultado de imagem para tentações de jesus

“A CADA TENTAÇÃO VENCIDA É UMA GRAÇA RECEBIDA”.

O tempo da Quaresma, que se deu início na quarta-feira de cinzas, é um momento litúrgico próprio para refletirmos sobre nossa vida e a forma como estamos seguindo a Cristo. Somos tentados enquanto estivermos na peregrinação desta vida. No momento em que superamos as tentações nos abrimos ao Espírito Santo e nos tornamos mais fortes na fé. Jesus nos mostra que devemos ser fortes para vencermos o mal e nos dispormos a fazer o bem vencendo todos os vícios que nos afastam de Deus.

 Resultado de imagem para tentações de jesus

EVANGELHO (Lc 04, 01-13):
Naquele tempo, Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão, e, no deserto, ele era guiado pelo Espírito Santo, voltou do Jordão, e, no deserto, ele era guiado pelo Espírito. Ali foi tentado pelo diabo durante quarenta dias. Não comeu nada naqueles dias e, depois disso, sentiu fome. O diabo disse, então a Jesus: “Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se mude em pão”. Jesus respondeu: “A escritura diz: ‘Não só de pão vive o homem’”. O diabo levou Jesus para o alto, mostrou-lhe por um instante todos os reinos do mundo e lhe disse: “Eu te darei todo este poder e toda a sua glória, porque tudo isto foi entregue a mim e posso dá-lo a quem eu quiser. Portanto, se te prostrares diante de mim em adoração, tudo isto será teu”.  Jesus respondeu: “A escritura diz: ‘Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás’”. Depois o diabo levou Jesus a Jerusalém, colocou-o sobre a parte mais alta do templo, e lhe disse: “Se és Filho de Deus, atira-te daqui abaixo! Porque a escritura diz: ‘Deus ordenará aos seus anjos a teu respeito, que te guardem com cuidado!’ E mais ainda: ‘Eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em alguma pedra’”. Jesus, porém, respondeu: “A escritura diz: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’”. Terminada toda a tentação, o diabo afastou-se de Jesus, para retornar no tempo oportuno.

Resultado de imagem para tentações de jesus

“Não só de pão vive o homem”.

As tentações de Jesus são um mistério dentro do plano de salvação de Deus. Jesus nos dá um exemplo de coragem contra o mal vigente no mundo que nos arrasta a pensarmos em nós mesmos e esquecermos a nossa missão. O inimigo é o pai da mentira. Ele se faz de dono de todas as coisas para nos afastar da verdade. Vemos hoje as pessoas revestidas das mentiras transmitidas pela grande mídia que tenta desviar a pessoa de sua origem e destino.
Nesta vida mortal sempre vamos passar por tentações, provações e sofrimentos. A nossa perseverança via nos forjar para sermos bons cristãos no meio do mundo dando um verdadeiro testemunho da presença de Deus em nossa vida.
Somos constantemente tentados em relação ao Ter, ao Poder e ao Prazer. São três grandes ídolos que são alimentados pelas nossas paixões. São bens imediatos ligados a nossa natureza humana em seu grau menos profundo. Por isto se formos conduzidos pelo imediatismo sempre caímos nas tentações. O inimigo de Deus nos apresenta sempre as coisas mais fáceis sem nos apresentar as conseqüências que derivam de nossas opções mal feitas. O pecado sempre é gostoso no começo, mas é fonte de uma grande infelicidade interior que atinge nossa paz de consciência que é o que temos de mais precioso.
Quando experimentamos o amor de Deus em nós, vencemos a tentação do ter pela pobreza nos tornando solidários com os nossos irmãos. Devemos ter Jesus como modelo de entrega absoluta a Deus e esquecimento de si mesmo. Somos atacados constantemente pelo espírito de consumismo. Devemos comprar e gastar constantemente para podermos alcançar mais meios para sermos “felizes”. Infelizmente é esta idéia totalmente contrária a solidariedade pregada por Jesus que está difundida no mundo.
Quando procuramos vivenciar a nossa fé vencemos a tentação do poder através da obediência ao que Deus nos pede. Como cristãos temos alguma missão neste mundo. Devemos olhar sempre para que o Senhor nos pede para não nos perdermos no oferecimento que o mundo nos faz. O ato de fé é a aceitação do mistério de Deus em nossa vida. Quando nos comunicamos com sinceridade com Deus, vamos modelando a nossa vida conforme a sua vontade. Vamos passando pela instabilidade desta vida através da estabilidade do amor que Deus nos transmite.
O prazer que o mundo oferece é vencido através da vivência da caridade. Quando nos revestimos do verdadeiro amor que tem como fonte o próprio Deus, somos novas criaturas, sabemos repartir o nosso amor com todos, especialmente com os mais necessitados.
O que nos faz realmente felizes é o encontro ou a coincidência da nossa vontade com a vontade de Deus. Sempre seremos tentados a nos afastar do essencial, mas devemos ser fortes para vivermos com alegria o que o Senhor nos pede.

Resultado de imagem para tentações de jesus


“Senhor Jesus precisamos da força do seu amor para vencer as tentações que o mundo nos oferece”.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

AVANÇAR PARA ÁGUAS MAIS PROFUNDAS

                    



“DEVEMOS AVANÇAR PARA ÁGUAS MAIS PROFUNDAS DA EXPERIÊNCIA DO AMOR QUE DEUS SENTE POR NÓS”.



O pedido de Jesus para que se avance para águas mais profundas nos joga no mistério de nossa missão como cristãos. Precisamos lutar com todas as nossas forças para vencermos o comodismo e sermos solidários na partilha de nossa vida com todos os nossos irmãos. Ir para águas mais profundas significa crescer em nosso autoconhecimento percebendo o imenso amor de Deus por nós. Crescer em nossa espiritualidade de Base para nos tornarmos realmente missionários do Reino de Deus.






EVANGELHO (Lc 05, 01-11):


Naquele tempo: Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus. Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. Ao ver aquilo Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.



“Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”.



Jesus inicia o seu ministério com o anúncio do Reino de Deus a muitas pessoas. Dentro do grupo de seus admiradores se destaca os seus primeiros discípulos. Esta passagem do evangelho é cheia de simbolismos que podemos aplicar diretamente em nossa vida. Jesus está pregando a uma multidão de pessoas e se utiliza das barcas dos discípulos. Após a sua pregação fala para que eles avancem para águas mais profundas e lancem as redes. Deus sabe das nossas limitações, mas não se conforma com elas e faz de tudo para que nos superemos vivendo em maior profundidade o seu amor. Todos são limitados, mas Deus nos ama acima de nossas limitações. Somos massacrados pelas falhas que cometemos e suas consequências, mas esquecemos que Deus é misericordioso. A confiança em Deus é fundamental para fazermos o que nos tornará realmente felizes.

Pedro era um homem prático na arte da pesca. Havia passado muitas horas tentando tirar algo das águas para sua subsistência. A palavra de Jesus faz que Pedro confie mais no mestre do que na sua prática e lança as redes. A confiança na Palavra de Jesus se tornou mais forte do que sua grande experiência. Como é importante a nossa entrega ao mistério de Deus para sermos seus instrumentos de libertação integral dentro do mundo. A pesca extraordinária fez que ele professasse a sua fé em Jesus pedindo que se afaste de sua miséria. Jesus surpreende a Pedro quando diz para que ele não tenha medo, pois sua missão será ainda muito maior no comando da Igreja. Muitas vezes desconfiamos da Palavra de Deus porque confiamos mais em nossa experiência e nossa racionalidade nos esquecendo que Deus age no mistério. Até mesmo nas nossas fraquezas e limitações. Deus permite que sejamos limitados para que tenhamos a certeza de que a obra não é nossa, mas sim de seu infinito amor.

Pedro relativizou toda a sua vida para seguir a Cristo. Ele vai abandonar sua segurança para ir de encontro à insegurança do mistério de Deus. Deixa as alegrias momentâneas para ir de encontro à felicidade profunda de estar sempre com Cristo. Os verbos despojar e deixar são pré-requisitos para os que assumem o Reino e suas consequências.

Somos convidados a avançar para as águas mais profundas da nossa existência. Não podemos nos conformar com a “ditadura dos meios de comunicação” que nos levam a um simples consumismo que acaba consumindo com a nossa vida. Precisamos descobrir a alegria de sermos solidários. De deixarmos as nossas redes da segurança para irmos onde o Senhor nos indica. Precisamos ser instrumentos de verdadeira libertação para os nossos irmãos que sofrem tantos tipos de angústia por estarem afastados do sentido último de suas vidas. Quem se afasta de Deus não pode ser feliz. O despojamento exigido pelo seguimento de Cristo não é nada em relação ao grande sofrimento daqueles que vivem aprisionados pelas correntes da moda imposta pela “grande mídia”.

Não podemos olhar a nossa vida de uma forma superficial, precisamos avançar para águas mais profundas de nosso relacionamento com Deus, conosco mesmos e com nossos irmãos.


Resultado de imagem para jesus manda avançar para águas mais profundas


“Senhor Jesus, dai coragem a todos nós para que possamos avançar com alegria nas águas mais profundas de nossa vida”.








segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

O PROFETA NÃO É BEM RECEBIDO EM SUA PÁTRIA

Resultado de imagem para JESUS NÃO É BEM RECEBIDO EM SUA PATRIA 

“A OPÇÃO POR JESUS CRISTO INCLUI REJEIÇÃO E DESCONTENTAMENTO DOS QUE SÃO MOVIDOS PELO SEU PRÓPRIO EGOÍSMO”.


O povo de Israel teve dificuldade para aceitar a pessoa de Jesus e sua missão. Ele dá provas de sua divindade através dos sinais que realiza que nenhum outro profeta realizou. O grande sinal é a sua própria ressurreição que confirma sua divindade. Somos desafiados a aceitar a mensagem de Jesus por completo em nossa vida através da fé no testemunho dos Apóstolos que viram ele após sua morte cruenta. Aqueles que aderirem ao projeto de Jesus também serão rejeitados, sendo que encontrarão a raiz da verdadeira felicidade no interior de seus corações. Nenhum dinheiro do mundo consegue pagar a alegria interior que sentimos ao obedecer a Deus.

EVANGELHO (Lc 04, 21-30):
Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga disse: “Hoje se cumpriu esta passagem da escritura que acabaste de ouvir”. Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam de sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” Jesus, porém disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizestes em Cafarnaum”. E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até ao alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.

Resultado de imagem para JESUS NÃO É BEM RECEBIDO EM SUA PATRIA

“Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria”.

Esta passagem do evangelho nos faz refletir profundamente sobre o mistério da salvação que vem para todos. O povo de Israel foi o povo da antiga aliança feita a Abraão e seus descendentes. Deus se revelou de uma forma extraordinária para este povo humilde, nômade e com pouca cultura. Todas as grandes nações da época acreditavam em vários deuses. Eram povos de alta cultura, mas de uma religiosidade que não alcançava a altura do povo hebreu. Daí se pode deduzir a certeza de uma “revelação particular” de Deus a este povo. Dentro do mistério da salvação da humanidade, o povo de Israel teve uma função essencial. Aos poucos esta revelação particular vai dando lugar a uma revelação universal que será finalizada na graça de Pentecostes com a vinda do Espírito Santo que irá esclarecer o sentido da vinda de Cristo. As pessoas que aceitam o plano de Deus anunciado por Jesus Cristo, ao serem batizadas, começam a participar automaticamente do mistério cristão. Já não temos uma religião ligada a uma cultura específica, mas a uma prática que é orientada pela ação direta do Espírito Santo.
Jesus reclama a falta de aceitação de sua pessoa entre os seus patrícios. Talvez não fosse fácil para o povo admitir que uma pessoa simples como ele pudesse ter tanta sabedoria. Mais ainda, que um homem tivesse a natureza divina. Ao revés de crerem na intervenção direta de Deus, questionam a origem de seu saber. Como a revelação de Deus é misteriosa por sua própria natureza, Jesus dá exemplos de outras pessoas que não faziam parte do povo e que foram salvas. Esta lição serve para nós também que já recebemos o batismo e somos o povo da nova aliança. Devemos nos questionar sobre a forma de aceitação da pessoa de Jesus dentro de nossa vida. Os cristãos são chamados a uma prática com base na experiência de amor provocada em suas vidas pela amizade com Jesus. Aceitá-lo como nosso salvador e amigo, que caminha conosco em todos os momentos de nossa vida é essencial para nossa salvação.
O Espírito Santo em Pentecostes irá universalizar definitivamente a mensagem de Jesus que não será só do povo de Israel, mas de todos aqueles que descobrem a realidade de que somos profundamente amados por Deus. Cabe a nós aceitarmos e anunciarmos a Cristo com todas nossas forças. Ele deve ser bem recebido na sua casa que é o nosso coração e dentro da realidade em que estamos vivendo.

 Resultado de imagem para JESUS NÃO É BEM RECEBIDO EM SUA PATRIA
“Senhor Jesus, fazei que aceitemos a sua pessoa dentro de nossa vida e possamos servi-lo com amor”.

            

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

JESUS É O ENVIADO DO PAI


“JESUS É O CRISTO, NOSSO SALVADOR E REDENTOR”.


O mundo procura nos manipular com suas idéias. Tenta nos levar para a valorização das coisas que passam. Jesus anuncia a Boa Nova da Salvação que vem ao encontro dos que são oprimidos. Neste terceiro domingo do tempo comum meditamos na pessoa de Jesus que vem anunciar o Reino para os que querem aceitar com humildade o projeto de Deus. Jesus é o Cristo, o ungido é o Filho de Deus. Quando aceitamos esta realidade ocorre uma mudança em nossos valores e atitudes.

Resultado de imagem para JESUS LÊ NA SINAGOGA

EVANGELHO (Lc 01, 01-04; 04, 14-21):

Muitas pessoas já tentaram escrever a história dos acontecimentos que se realizaram entre nós, como nos foram transmitidos por aqueles que, desde o princípio, foram testemunhas oculares e ministros da palavra. Assim sendo, após fazer um estudo cuidadoso de tudo o que aconteceu desde o princípio, também eu decidi escrever de modo ordenado para ti, excelentíssimo Teófilo. Deste modo, poderás verificar a solidez dos ensinamentos que recebeste. Naquele tempo, Jesus voltou para a Galiléia, com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a redondeza. Ele ensinava nas suas sinagogas e todos o elogiavam. E veio à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado, e levantou-se para fazer a leitura. Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a boa nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor”. Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante, e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da escritura que acabaste de ouvir”.

Resultado de imagem para JESUS LÊ NA SINAGOGA


“Hoje se cumpriu esta passagem da escritura que acabaste de ouvir”.

Jesus ao ler a passagem do profeta Isaías (61, 01-03), está afirmando os fatos que irão acontecer aos que aceitarem o anúncio do Reino: serão libertados das prisões que são consequência do egoísmo humano. A aceitação do projeto de Deus faz com que a pessoa encontre o sentido último de sua existência: amar e servir a Deus e aos irmãos vivendo uma vida nova livre das amarras do pecado. A desobediência a Deus só causa consequências dramáticas para o homem. O mal presente no mundo teve sua origem na forma errada do homem exercer sua liberdade.
O Reino de Deus é anunciado dentro de um processo. Desde o antigo testamento já estava sendo preparado pelos profetas e em Jesus Cristo chega ao seu ápice. Agora cabe a nós aceitarmos o Reino e sermos anunciadores da Boa Nova da salvação. O Espírito Santo caminha conosco para nos auxiliar neste processo. Quando somos movidos por Ele não erramos em nossas opções.
Os cristãos devem transformar o mundo através da alegria que sentem em seu interior por se sentirem profundamente amados por Deus. Ele é nosso Papaizinho (Aba). Deus participa de nossa vida. Não estamos longe de nosso Criador. Ele nos ama, nos chama e nos envia dentro do mundo para sermos sua extensão no amor. O amor de Deus deve passar em nós e ir de encontro dos que não se sentem amados. Amar é fazer o outro crescer (Dra Zilda Arns).
Jesus é o ungido, é o Cristo. No Antigo Testamento os reis e soldados se preparavam para a batalha se enchendo de óleo. Esta forma de preparação tomou um aspecto espiritual e os grandes reis eram ungidos para se encherem da Graça de Deus pela missão profunda que Ele lhes confiava. Jesus é o Cristo, Ele retém toda a vontade do Pai por ser verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem.
O Filho de Deus traz consigo toda a mensagem de salvação para nós. Ele anuncia o que devemos viver dentro da sociedade. Inicialmente seremos “perdedores” por tentarmos concretizar o Evangelho dentro do mundo. Este oferece muitas vantagens para os que confiam em si mesmos e se esquecem dos outros. Mas esta vantagem é superficial. Leva o ser humano a ser o autor de seu próprio fracasso. Quando o homem pensa poder tudo ele perde tudo. Quando nos afastamos de nosso princípio vital somos conduzidos a morte pelo efeito de nosso próprio egoísmo.
Somos convidados a fazer os cegos enxergarem. Especialmente os que são manipulados pela ditadura da grande mídia que nos arrasta ao consumismo e nos afasta de nossa cultura libertadora. Ela tem o poder de transformar o mal em bem e o bem em mal fazendo que as pessoas se afastem cada vez mais do sentido solidário de nossa existência que é o centro da pregação de Jesus. Devemos ser juízes da mídia e não simples espectadores passivos dela colocando o Evangelho de Cristo como fórmula para iniciarmos a sermos felizes neste mundo em preparação para a vida eterna.

Resultado de imagem para JESUS LÊ NA SINAGOGA

“Nós lhe pedimos Senhor Jesus a força da sua graça para vencermos o pecado e sermos instrumentos de seu amor no mundo”.



            

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

BODAS DE CANÁ


 

“A MÃE DE JESUS SEMPRE INTERCEDE POR NÓS”.


A passagem do Evangelho deste segundo domingo do tempo comum nos recorda o milagre das bodas de Caná. A figura de Maria aparece neste momento importante da vida de Jesus. Ela intercede pelos noivos que passariam por um vexame se não houvesse mais vinho para ser servido aos convidados da festa. Hoje Maria continua intercedendo por nós para que possamos ser fiéis ao plano de salvação que Deus elaborou para cada um de nós. A presença de Maria é inerente ao mistério da presença de Deus em nossa vida. O sim de Maria dado na Encarnação do Verbo permanece dentro da história. O mistério mariano complementa o mistério de Cristo e vice versa.


EVANGELHO (Jo 02, 01-11):
Naquele tempo, houve um casamento em Caná da Galiléia. A mãe de Jesus estava presente. Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”. Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros. Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram. O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. O mestre sala chamou o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho pior. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!” este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Cana da Galiléia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.



“Fazei o que ele vos disser”.

Com o milagre das bodas de Caná começa a vida pública de Jesus. É interessante perceber que surge uma dificuldade e a mãe de Jesus está atenta. Assim como nas bodas de Caná, Maria está presente em todos os momentos mais importantes de nosso processo de salvação. Através de seu sim ela favorece a missão salvífica de Cristo. Maria é sensível nos mínimos detalhes. Percebe a vergonha que os noivos iriam passar pela falta de vinho e recorre a Jesus para que ele realize o primeiro milagre que irá fazer que os discípulos comecem a crer na sua missão.
Deus está presente em nossa vida. Em todos os momentos nos reveste de sua infinita bondade. Hoje estamos “insensibilizados”. Desligados do essencial de nossa vida. Preferimos as alegrias momentâneas à felicidade permanente. Jesus estava participando de um momento de felicidade dos noivos. Ele não fugia das situações humanas. Procurava humanizar aquilo que havia se perdido. Jesus nos quer libertar de nosso próprio egoísmo, de nosso fechamento que jamais irá ter como consequência a verdadeira felicidade. Percebemos hoje muitas pessoas que não conhecem o sentido do cristianismo. Vivem sem entender que ser cristão é ser especialista na arte de amar. O amor é capaz de construir tudo, ele nasce do coração de Deus.
Jesus transforma a água em vinho. Quando entramos em contato com ele também somos transformados. Passamos de uma vida de egoísmo para uma vida de altruísmo. A preocupação exagerada com nós mesmos passa a ser transformada na preocupação com os nossos irmãos. Quando somos imbuídos pelo Espírito Santo a nossa atenção muda de rumo. Somos mais interessados pela propagação da vontade de Deus no grande objetivo de que todos sejam salvos.
Devemos sempre confiar na intercessão de Maria. Ela é incansável na tentativa de que nós façamos tudo o que seu filho nos pede. Maria não é concorrente de Jesus. Ela é aquela que nos ajuda a superar as nossas angústias e sofrimentos para fazermos o que o Senhor nos pede. 



“Obrigado Senhor Jesus por nos terdes dado a sua mãe como nossa mãe”.



segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

BATISMO DE JESUS

Resultado de imagem para BATISMO DE JESUS

“O BATISMO DE JESUS RECORDA A IMPORTÂNCIA DE NOSSO BATISMO”.


A festa do batismo do Senhor nos recorda o nosso batismo. Como cristãos temos o compromisso de “cristianizar” o mundo através do amor. O sacramento do batismo é o ingresso na vida nova nos dada pela salvação em Jesus Cristo. É um verdadeiro impulso para a prática do bem em todas as circunstâncias de nossa vida. O que diferencia os que seguem a Cristo é a tentativa de fazer o bem no meio do mal. Praticar o amor dentro do mundo mesmo sendo rejeitado. Os verdadeiros seguidores de Cristo sempre terão inimigos, especialmente aqueles que amam os bens perecíveis do mundo.

 



EVANGELHO (Lc 03, 15-16.21-22):
Naquele tempo, o povo estava na expectativa e todos se perguntavam no seu íntimo se João não seria o messias. Por isso, João declarou a todos: “Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. Quando todo o povo estava sendo batizado, Jesus também recebeu o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível, como pomba. E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem querer”.


“O Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível, como pomba. E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem querer”.



Conhecemos a vida de Jesus através do relato das primeiras comunidades cristãs e do testemunho apostólico. Cada fato da vida de Jesus nos foi passado através da experiência dos Apóstolos e da fé dos primeiros cristãos. Não temos informações históricas da pessoa e dos fatos da vida de Jesus como nos dias de hoje em plena era da informática. Todos os escritos bíblicos estão cheios de simbolismos numa linguagem e cultura diferente da nossa.
Jesus aceita o batismo de João que era de penitência e renovação. Neste momento é revelado a sua missão através da própria ação do Espírito Santo. A Trindade se manifesta através da voz do Pai e da Pomba representando o Espírito Santo com a presença de Jesus o Filho de Deus. Todo o mistério cristão gira em torno do mistério da Trindade. A nossa liturgia recorda constantemente que somos criados pelo Pai, salvos pelo Filho e santificados pelo Espírito Santo. Quando somos batizados começamos a fazer parte deste grande mistério. Começamos a configurar a nossa vida com a vida de puro amor que vive Deus. Por esta razão ser cristão é amar dentro do mundo.
A festa do batismo de Jesus deve fazer recordar o nosso batismo e o compromisso de cristãos de sermos solidários e mensageiros da Boa Nova da salvação a todos os povos. Devemos ser especialistas na arte de amar.  Ser formados no amor dentro das adversidades da vida.
Precisamos renovar a graça que recebemos em nosso batismo. Devemos pedir constantemente uma nova efusão do Espírito Santo sobre nós para podermos administrar a nossa vida com sabedoria e fé. O batismo que recebemos deve nos levar a uma vida de altruísmo em contrapartida do egoísmo implantado pelas relações comerciais.
O que seria do mundo sem a presença daqueles que acreditam no mistério cristão? Por esta razão a missão que nos cabe é cada vez maior. Estamos em um mundo de competição. Somos convidados a partilhar tudo que temos. Devemos nos preocupar com a promoção da pessoa humana em todas as dimensões de sua existência.
Será que todos recordamos a data de nosso batismo? Sabemos quem são nossos padrinhos e qual foi o sacerdote que nos batizou? Acho que merece a pena saber estes dados de nossa vida para valorizarmos constantemente este sacramento que nos faz participar do mistério da Santíssima Trindade.



“Senhor Jesus, que possamos viver constantemente em nossa vida a missão de cristãos dentro da realidade em que nos encontramos”.