segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Assunção de Nossa Senhora

“A MÃE DE JESUS INTERCEDE POR NÓS NA GLÓRIA DOS CÉUS”.

A Igreja sempre alimentou uma grande devoção a mãe de Jesus. Por Jesus ser o Filho de Deus nós passamos a ser filhos de Maria. A devoção a Nossa Senhora nos traz uma grande alegria e segurança em nossa caminhada cristã. No próximo domingo celebramos a festa da Assunção de Maria. O Papa Pio XII (01 de novembro de 1950) declarou oficialmente que Maria foi glorificada por Deus, está no paraíso e intercede por todos nós. Ela foi “elevada” ao céu por Deus pelo imenso merecimento que teve em aceitar a grande missão de ser a mãe do Salvador.
A devoção a Nossa Senhora é parte integrante da vida dos cristãos desde o início da sua história pela importância do fenômeno da Encarnação do Verbo. Ela aceitou livremente em ser a “mãe do Salvador”.
Maria recebeu e recebe muitos títulos no decorrer da história da humanidade. Eles nascem conforme as necessidades concretas que surgem na caminhada rumo ao Pai. Se recorrermos às nossas mães em nossas dificuldades, é justo recorrermos a mãe de Jesus que é nossa mãe comum que intercede junto a Deus por nós. Ela é muito atenciosa as nossas necessidades.
Dentro do mês vocacional celebramos também o dia dos consagrados (religiosos). O religioso procura dar testemunho de Jesus através de seu carisma e de sua entrega a Deus pela alegria que brota de seu gesto de solidariedade na sua consagração.

Resultado de imagem para assunção de maria

EVANGELHO (Lc 01, 39-56):
Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto de teu ventre! Como posso merecer que a mãe de meu Senhor me venha visitar? Logo que a saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. Bem aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito exulta em Deus, meu salvador, porque olhou para a humanidade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem aventurada, porque o todo poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam. Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência para sempre”. Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.


“Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto de teu ventre!”

A devoção a nossa Senhora inicia no fato misterioso da Anunciação do anjo e da Encarnação do Verbo no momento em que ela aceita ser a mãe do Salvador. Temos dois grandes mistérios: a escolha de Deus feita a ela e sua aceitação. Deus faz a Maria uma proposta de envergadura gigantesca. Maria é convidada a ser a mãe do Messias, do Cristo, enviado do Pai para salvar a humanidade. É muito difícil saber exatamente o que se passou no coração de Maria neste momento. É um mistério que vai acompanhar a história do cristianismo até o final dos tempos. Quando Maria aceitou ser a mãe de Jesus, ela aceitou a tarefa árdua de auxiliar Deus no plano de salvação de toda a humanidade.
A “Anunciação” e a “Encarnação” só foram possíveis pela grande humildade e obediência de Maria. Ela abandonou seu plano pessoal para aceitar o plano de Deus. Este fato só poderia ter acontecido em um ambiente de profunda comunicação (oração) com o Senhor. Como aconteceu várias vezes com os grandes heróis do Antigo Testamento, poderíamos tirar de Maria estes dois grandes exemplos: quem reza obedece e se esquece de si mesmo para realizar em sua vida o que Deus determina. A oração está ligada a capacidade de despojamento. A paz que almejamos em nossa vida só é possível quando obedecemos a Deus.
O dogma da Assunção dá uma qualidade especial à missão de Maria. Poderíamos dizer que é consequência da Anunciação e Encarnação. Por seus imensos merecimentos Maria é elevada ao Céu. Ela não irá passar pelo processo de glorificação comum como nós. Ela recebe, de imediato, a graça da ressurreição como merecimento por ter aceitado ser a mãe do Salvador.
Deus “deseja” profundamente que as pessoas participem de sua felicidade. Ele não se conforma com a incapacidade de correspondência ao seu amor da parte da pessoa e por isto vai de encontro a sua fraqueza para salvá-lo. Maria faz parte deste desejo através do mistério da Encarnação do Verbo. Ela se torna instrumento essencial no plano de Deus. Na recuperação do homem perdido pelo pecado. Por Eva a humanidade cai na divisão do pecado e pelo sim solidário e livre de Maria o homem se une novamente ao seu Criador. Pelo sim de Maria nos é restituída à capacidade de dizermos sim a Deus.
Na atitude de Maria ir ao encontro de sua prima Isabel, percebemos uma forte disponibilidade e solidariedade na alegria. Esta é a característica dos que servem a Deus. Quando procuramos à concretização da vontade de nosso Criador somos “desacomodados”. Saímos de nós mesmos e vamos ao encontro de Deus, de nós mesmos e de nossos irmãos. Este é o segredo da verdadeira felicidade: vencer nosso egoísmo e sermos solidários.
A maioria das pessoas de hoje são infelizes porque não se conhecem em profundidade. Erram em suas opções. A competição econômica reinante em nosso mundo é como o aguilhão do escorpião que se volta contra ele mesmo quando se sente encurralado. Estamos sofrendo os efeitos do egoísmo, mas infelizmente não queremos sair desta situação. O tempo não é bem administrado em relação ao que faz a pessoa realmente feliz. Somos manipulados a ficarmos na mesmice do relativismo implantado pela grande mídia.
A graça de Deus é capaz de fazer que nos valorizemos no sentido pleno da palavra. O canto do “magnificat” de Maria não é um canto de auto-suficiência de sua pessoa. É a realidade que cobre aqueles que se sentem verdadeiros servos de Deus. Através da humildade vamos nos transformando no que o Senhor projetou para nós.
Maria está no céu gloriosa. Certamente muito preocupada com a nossa salvação. Ela realmente se considera nossa mãe pelo próprio mandato de Cristo nos últimos momentos em que estava na cruz entregando sua vida para nos salvar. Vamos sempre recorrer a Maria em todos os momentos de nossa vida e sempre estaremos fazendo o que seu Filho nos pede.


“Querida mãe do Céu. Olhe para vossos filhos que caminham na instabilidade desta vida rumo ao Pai”.



segunda-feira, 8 de agosto de 2016

A opção por Jesus nos retira dos meios sociais

Resultado de imagem para jesus cristo

“AQUELES QUE OPTAM POR JESUS ESTÃO PRONTOS PARA PROVOCAREM DIVISÃO NA SOCIEDADE”.

Estamos no mês vocacional e iniciamos a semana da família neste XX domingo do tempo comum recordando a vocação do matrimônio. A família é a base da sociedade, ela é o termômetro que indica como estamos. O pensamento ocidental ainda não entendeu que precisa preservar os seus “filhotes” e suas raízes por isso não se preocupa com a família. O cristão não é aceito, muitas vezes até no meio familiar, por ser uma opção radical que nos afasta do individualismo e leva a fraternidade.

 Evangelho (Lc 12,49-53)

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso! Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra! Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão. Pois, daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três; ficarão divididos: o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra”.

Resultado de imagem para jesus cristo

“Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão”. 

Aceitar Jesus Cristo como um todo não é fácil. Muitas pessoas querem que ele se adéque as suas limitações, mas ele nos quer transformar e fazer-nos melhores. Que tipo de divisão Jesus se refere? A busca por uma paz de consciência que vai selecionando os valores. Aqueles que sofrem pelo peso das suas opções erradas se colocam como inimigos dos que agem conforme a vontade de Deus.
A nossa sociedade está dividida nos que acreditam na eternidade, na ressurreição e os que amam as coisas deste mundo transitório. Estamos colocando veneno em nossas próprias raízes quando a filosofia ocidental tenta destruir as famílias que são a fonte formadora da sociedade. Percebemos claramente em nosso meio uma luta contra os valores fundamentais da vida em razão de um consumo de mercadorias desnecessárias para alcançarmos a verdadeira felicidade.
Jesus não quer trazer divisões, mas sim unidade no amor e na fraternidade. A divisão acontece pelos que se excluem do bem. O mal uso da liberdade é que destrói o ser humano. Optar por Jesus é renunciar ao egoísmo, a vaidade e a auto suficiência. É viver uma vida de humildade e alegria.
A cruz de Jesus continua sendo um escândalo para a sociedade que não quer oferecer nada, pois vive para si mesma numa ilusão de que seremos felizes sozinhos. Deus é amor, o amor é saída, é preocupação com o outro.
Devemos pedir constantemente ao Divino Espírito Santo a Paz que Jesus nos prometeu para podermos enfrentar as dificuldades que a vida vai nos oferecendo.

Resultado de imagem para jesus cristo


“Senhor Jesus nos ajude nesta caminhada a sermos mais fortes e alegres mesmo que vivamos na indiferença da sociedade”.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Nos transformamos naquilo que amamos.


Resultado de imagem para estar preparados para la venida del señor


“ESTAR PREPARADOS É VIVER NA GRAÇA DE DEUS PRATICANDO O BEM E EVITANDO O MAL”.

Dentro deste mês de agosto, dedicado às vocações, nos lembramos neste próximo domingo da vocação sacerdotal e rezamos especialmente pelos nossos orientadores. A figura do padre é importantíssima para o desenvolvimento da comunidade. O sacerdote é um servidor que através de seu ministério deve levar as pessoas a uma via nova na Graça de Deus.


Resultado de imagem para estar preparados para la venida del señor

EVANGELHO (Lc 12, 32-48):
Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Não tenhais medo, pequenino rebanho, pois foi do agrado do Pai dar a vós o reino. Vendei vossos bens e dai esmola. Fazei bolsas que não se estraguem, um tesouro no céu que não se acabe; ali o ladrão não chega nem a traça corrói. Porque onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. Sede como homens que estão esperando seu Senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrirem, imediatamente, a porta, logo que ele chegar e bater. Felizes os empregados que o Senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade eu vos digo: Ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão, se assim os encontrar! Mas ficai certos: se dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. Vós também ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”. Então Pedro disse: “Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos?” E o Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e prudente que o Senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa para dar comida a todos na hora certa? Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! Em verdade eu vos digo: o Senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, o Senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. Aquele empregado que, conhecendo a vontade do Senhor, nada preparou, nem agiu conforme a sua vontade, será chicoteado muitas vezes. Porém, o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo, será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito será exigido!


Resultado de imagem para estar preparados para la venida del señor

“A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito será exigido!”

Na realidade, a Boa Nova da salvação é uma grande responsabilidade. Quando tomamos consciência da presença salvífica de Deus em nossas vidas, somos responsáveis pela propagação desta verdade em todas as partes do mundo. A transmissão da experiência de Deus é algo que nos compromete inteiramente.
Nós seres humanos podemos nos comparar com uma “bomba” de afeto. As bombas mecânicas recebem o líquido e o expandem para fora. Nós “precisamos” nos sentir amados para depois amar. Necessitamos do amor em três dimensões básicas: devemos nos sentir amados pelo Criador para nos amar e amar os nossos semelhantes. Quando nos fechamos a esta realidade estamos morrendo para o sentido mais profundo de nossa existência. O verdadeiro tesouro de nossa vida consiste na abertura de nosso ser para a realidade da presença de Deus e dos irmãos.
Transformamo-nos naquilo que amamos. Se amarmos a superficialidade, nos tornamos, automaticamente, pessoas superficiais e como consequência somos facilmente manipulados, dominados pelo relativismo da grande mídia porque não temos outra opção para vivermos. Hoje estamos sobre o domínio dos meios de comunicação, que nos ditam o que é mais importante para nós sem nenhum discernimento. O inimigo de Deus é especialista em criar “falsas necessidades”. A pessoa humana está sendo resumida em máquina de consumo que deve comprar e vender. No momento que amamos o que existe de profundo em nossa vida selecionamos os valores, para isto necessitamos da ação do Espírito Santo em nós. Vamos descobrindo o essencial começando a escolha do que realmente nos interessa.
A pregação de Jesus não consiste no fechamento em nós mesmos. Fomos feitos para nos abrirmos diante de Deus e de nossos irmãos na vida solidária sobre a ação do Espírito Santo. Somos desafiados a viver o encontro com o outro. O egoísmo é um caminho de morte e tristeza.
O estado depressivo que vive a nossa sociedade nos arrasta a mais profunda solidão. Recebemos o batismo para sermos antídotos de toda esta situação. Precisamos nos comunicar abrir os nossos corações à verdade que nos tornará livres.


Resultado de imagem para estar preparados para la venida del señor

"Senhor Jesus que possamos encontrar o verdadeiro tesouro em nossas vidas, partilhando vosso amor com todas as pessoas que nos encontrarmos”.


segunda-feira, 25 de julho de 2016

Ricos para Deus e pobres para o mundo.

Resultado de imagem para verdadeiro tesouro


“O MAIOR NEGOCIANTE É O QUE GUARDA O ‘GRANDE TESOURO’ PARA A ETERNIDADE QUE É O BEM QUE FAZEMOS NESTA VIDA”.

O mês de agosto é dedicado as vocações. A vocação é um chamado de Deus para servir aos irmãos. O primeiro chamado de Deus em relação a nós foi à existência. Deus nos criou para participarmos de sua felicidade. O segundo chamado foi o batismo, que é a nossa consagração a Deus através da tentativa de configurar a nossa vida com a de Jesus vivendo na obediência ao Pai. Ao longo de nossa vida cristã, devemos escolher a forma como iremos viver o nosso batismo servindo aos irmãos. Esta escolha livre poderá ser como Apóstolo Leigo (casado ou solteiro), Consagrado na Vida Religiosa ou como Sacerdote. Vamos rezar neste mês para que o Senhor nos envie muitas vocações para que a nossa Igreja seja cada vez mais florida no amor e na solidariedade. O evangelho deste domingo irá nos ensinar a encher a “mala” de nossa vida com o bem para que possamos usufruí-lo na eternidade.


Resultado de imagem para verdadeiro tesouro


EVANGELHO (Lc 12, 13-21):
Naquele tempo, alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: “Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”. Jesus respondeu: “Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?” E disse-lhes: “Atenção! Tomai cuidado contra todo o tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”. E contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita. Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. Então resolveu: Já sei o que vou fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, como, bebe, aproveita!’ Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’ Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”.

Resultado de imagem para verdadeiro tesouro 

“Quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus não poderá experimentar a verdadeira felicidade”.

Deus nos deu muitos dons que na realidade não nos pertencem. O principal dom é a vida que recebemos dele para serví-lo e amá-lo nos preparando para a vida definitiva. O único tesouro que nós levamos conosco é o bem que nós praticamos em nossa vida. Esta é a direção fundamental que devemos dar a nossa existência nos transformando em instrumentos de amor e solidariedade dentro do mundo. Praticar o bem nos torna semelhante a Deus que é o Sumo Bem. Aqueles que são egoístas e acabam praticando o mal não são felizes nem nesta vida e nem na outra.
Há dois tipos de riqueza. Uma que se volta para o egoísmo humano, levando o homem à morte e outra que se volta para Deus no sentido de se colocar todos os dons recebidos na prática do bem e da justiça. Uma é a riqueza falsa e a outra a verdadeira. A falsa leva o homem a fechar-se dentro de si e a verdadeira leva a partilha dos bens espirituais e materiais tornando a pessoa verdadeiramente rica diante de Deus. O consumismo que nos consome é o grande perigo que nos pode envenenar especialmente a partir das mentiras transmitidas pela mídia.
Muitas vezes a riqueza material foi associada à felicidade. Muitos homens e mulheres passaram sua vida se preocupando em acumular bens. O fato mais marcante é que estas pessoas não são recordadas mais na história. Seus nomes foram apagados. Seu projeto de vida se voltava para si mesmo. Podemos perceber também que muitas dessas pessoas souberam direcionar os seus bens para fazer caridade e ajudar os necessitados encontrando um sentido novo para suas vidas. Estas pessoas são sempre recordadas com carinho. Vemos na história da Igreja muitos santos que eram donos de grandes posses e através da partilha encontraram uma comunicação profunda com o Senhor e felicidade de se doar aos irmãos. Daí podemos deduzir que não é o “ter” o problema, mas sim o direcionamento que se dá para os bens transitórios. Eles ao serem partilhados poderão ser meios eficazes de salvação.
Quando somos ricos para nós mesmos, impedimos o alcance da verdadeira felicidade. Quando somos ricos para Deus, ou seja, nos assemelhamos a Ele na prática do Bem, estamos construindo a nossa felicidade que acontece sempre na vivência da solidariedade numa visão comunitária de nossa existência. O problema é a finalidade que damos as coisas materiais que não são o fim último de nossa vida.
Os bens materiais vão se tornar relativos em relação ao sentido que atribuímos a eles. Devemos ter um bom planejamento de vida. Saber economizar e gastar naquilo que é essencial. Devemos vencer o consumismo que nos leva a procurar pequenas alegrias que cobrem a busca do que realmente nos realiza.
Ser rico diante de Deus é estar sempre com o olhar voltado para os verdadeiros valores tendo como ideal se servir de tudo o que temos para que todos sejam felizes. Se as pessoas soubessem repartir mais não haveria tanta necessidade e todos seriam mais felizes.
A partilha é essencial para nossa realização. Ela deve acontecer tanto no sentido espiritual como no material. Deus nos deu muitos dons e condições de ajudarmos a todos que estão conosco. Tudo o que recebemos deve ser colocado para Ele. Todos os dias devemos perguntar: Senhor em que posso servi-lo?
Gostaria de contar uma pequena história que representa o que vai nos acontecer quando nos encontrarmos com o Senhor. No momento em que somos gerados Deus nos dá uma pequena mala que só pode ser preenchida com o bem que vamos realizando a cada passo de nossa vida. Quando vamos ao encontro do Senhor no final de nossa vida abrimos esta mala diante de Deus e conforme o seu conteúdo iremos morar para sempre com Ele na eternidade. Se esta malinha estiver cheia de atos de bondade iremos viver para sempre com Deus e seremos infinitamente felizes. Nada neste mundo pode ser comparado com que o Senhor nos preparou.
Não queremos que no final de nossa vida vejamos para nossa história e percebamos que nada ficou para auxiliar os que necessitavam de nossa ajuda. Vamos tomar agora esta decisão de fazermos o bem e evitarmos o mal.

Resultado de imagem para fazer o bem

"Senhor Jesus venha em nosso auxílio para que possamos saber administrar o nosso tempo a fim de sermos ricos na partilha de nossos bens”.




segunda-feira, 18 de julho de 2016

A ORAÇÃO PERSEVERANTE


 

“CHEGAREMOS A SANTIDADE POR MEIO DE UMA ORAÇÃO PERSEVERANTE QUE AOS POUCOS NOS ABRE PARA DEUS”.

Segundo Santa Teresa a oração é um trato de amizade com aquele que sabemos que nos ama. A oração do Pai Nosso, ensinada pelo próprio Jesus, tem um significado essencial para a nossa vivência cristã. Ela se refere ao relacionamento profundo com o Pai, comum a todos os viventes, e com os nossos irmãos dentro de uma realidade. Esta oração passa ser uma fórmula de santificação para os que se sensibilizam com a realidade do imenso amor que Deus sente por cada pessoa humana. A nossa santificação é um processo de aceitação da vontade de Deus em nossa vida. Um santo que não reza se torna um pecador. Um pecador que reza se torna um santo.

 Resultado de imagem para ORAÇÃO PERSEVERANTE




EVANGELHO (Lc 11, 01-13):

Jesus estava rezando num certo lugar. Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: “Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos”. Jesus respondeu: “Quando rezardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino. Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos, e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação’”. E Jesus acrescentou: “Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer’, e se o outro responder lá de dentro: ‘Não me incomodes! Já tranquei a porta, e meus filhos e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães’; eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário. Portanto, eu vos digo pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá. Será que algum de vós que é pai, se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”


Resultado de imagem para ORAÇÃO PERSEVERANTE

“Vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”
Jesus deu exemplo para seus discípulos da necessidade da oração. Um deles pediu algo de suma importância: “Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos”. Deste pedido nasce a oração que muitas vezes rezamos que foi intitulada através da história como “Pai Nosso”. É muito difícil para nós descobrirmos o conteúdo das orações que Jesus fazia sendo ele verdadeiro Deus e verdadeiro homem. A sua atitude era de escuta interior do que o Pai lhe pedia. Jesus vivia a perfeita contemplação do que era a vontade do Pai. Não iremos atingir o nível de oração que Jesus viveu, mas temos que seguir seu exemplo para concretizarmos a vontade de Deus em nossas vidas.
O mundo sofre pela falta de oração. Podemos afirmar que todos os sofrimentos presentes no mundo são por falta de uma verdadeira comunicação com Deus. O mundo seria diferente se todas as pessoas se voltassem para a oração. A Igreja enfrenta sérios problemas porque os seus elementos, muitas vezes se preocupam com grandes planos pastorais, mas não se voltam para a oração. Os grandes problemas pastorais e a falta de vocações só poderão encontrar solução na oração confiante ao Senhor.
“A oração é um diálogo de amizade com aquele que sabemos que nos ama”. Esta é a definição clássica da oração que Santa Teresa de Jesus nos deixou. A palavra amizade é fundamental, pois ela vai se unir a humildade e a perseverança. Para louvarmos a Deus ou pedirmos algo a Ele precisamos estar revestidos de uma verdadeira humildade e perseverarmos em meio as tribulações que são inerentes na vida dos que querem concretizar a vontade de Deus em suas vidas. Devemos nos considerar iguais a todos no nível de amor que Deus sente pelos seus filhos. Quando tratamos Deus de Pai, um pai íntimo que participa de nossa vida e nos quer bem; estamos tentando entender que somos amados e que esta vida é uma preparação para a eternidade. O que caracterizou a vida dos santos não foi o fato deles nunca terem errado, mas sim de se tornarem sensíveis ao amor de Deus.
 Após ensinar a oração do Pai Nosso Jesus insiste na necessidade de pedirmos sempre com perseverança. Devemos pedir sempre, especialmente a graça da nossa conversão. Pedir ao Senhor que seu Plano se realize em nossa vida. Devemos nos colocar a disposição do Senhor: Em que posso servi-lo? Esta deve ser o questionamento diário que devemos fazer antes de qualquer atividade do dia.
Nesta passagem do Evangelho, Jesus vai traçando um crescendo sobre o que é mais fundamental para ser pedido a Deus chegando a um ponto máximo: “Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”
Por que Jesus fala em pedir o Espírito Santo? Ele nos dá condições de sabermos o sentido mais profundo de nossa existência. O Espírito Santo nos ensina a viver e concretizar o amor em nossa vida. Indica-nos o caminho que facilita a nossa santificação que é a coincidência da nossa vontade com a Vontade de Deus. Por esta razão a oração passa a ser um instrumento fundamental para a nossa salvação e uma forma de sabermos o que Deus deseja de nós e termos força para concretizar a sua vontade em nossa vida concreta.

Resultado de imagem para PAPA FRANCISCO REZANDO

"Nós lhe pedimos Senhor Deus que envieis sobre nós o vosso Espírito para sabermos o que é essencial em nossa vida”.



segunda-feira, 11 de julho de 2016

Marta e Maria

Resultado de imagem para marta e maria

“A ORAÇÃO TEM COMO CONSEQUÊNCIA UMA AÇÃO LIBERTADORA INTEGRAL”.

A experiência de Deus sempre inclui o conhecimento do que Ele deseja de nós na contemplação. Após esta experiência que nos leva ao verdadeiro conhecimento do plano de Deus, somos convidados a concretizar em nossa vida os seus valores. O grande desafio que sentimos em nossa vida cristã vem após a nossa experiência de Deus. Esta experiência começa com uma vida de oração como um trato de amizade com o Senhor. Como conciliar a contemplação com a ação? Vemos nas duas personagens Marta e Maria, amigas de Jesus, que tanto uma como a outra estavam certas e as duas devem andar de braços dados para crescerem no amor de Deus e do próximo. A oração deve fortalecer nossa ação que deve fortalecer nossa oração. Uma influencia na outra e crescemos integralmente.

Resultado de imagem para marta e maria


EVANGELHO (Lc 10, 38-42):
Naquele tempo, Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra. Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitadas por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.

Resultado de imagem para marta e maria

“Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.

Há um grande desafio entre o ser e fazer. Entre atividade e ativismo. Atividade é fruto da experiência e o ativismo é fruto da fuga de nós mesmos. O seguimento de Jesus não é um seguimento ideológico ou partidário. Envolve uma postura de vida. Não seguimos a Cristo pela nossa razão, embora ela seja um instrumento necessário. Seguimos pelo amor e a amizade que sentimos por Ele. A experiência de Deus precisa ser cultivada em nossa vida. Não existe nada pronto tudo passa por um processo. Por esta razão o grande inimigo da vida contemplativa e ativa é o “imediatismo” que nos leva a atitudes precipitadas que muitas vezes vão contra nossa própria vontade. Ele é o grande vilão que tenta destruir o processo de relacionamento nosso com a Santíssima Trindade.
Jesus repreende Marta pela sua atitude mais preocupada com o fazer do que com o ser. Apesar de que se ela não estivesse trabalhando eles não poderiam fazer a refeição. O trabalho deve ser o complemento da experiência de amor. Deve nos levar a dignidade de filhos de Deus. Nós cristãos nos perdemos em ações que muitas vezes não são transformadoras de nossa vida e nem de nossos irmãos porque não cultivamos o valor da contemplação e da oração. A teologia não pode ser transformada em ideologia. A sua base deve ser a Mística. A razão precisa nos levar ao amor e ao processo de conversão, pelo contrário nos desvia da realidade.
A verdadeira ação é produto da escuta do Senhor. Estamos em um mundo cheio de velocidade e dinamismo. Os meios de comunicação e de transporte se aperfeiçoam cada vez mais para que o homem possa chegar mais rápido e com melhores resultados ao que ele busca (o problema é a resposta a esta busca). O tempo e o espaço devem ser superados a qualquer custo. Na realidade estamos muito longe de nosso coração, pois estamos atravessando uma “crise mundial de afetividade”. Esta crise se entende na sua relação com Deus, consigo mesmo e com seus semelhantes. Nunca o homem esteve tão distante de si mesmo como hoje com esta aparente evolução.
O fato de Maria estar escutando a Jesus nos surpreende especialmente a reclamação que Jesus faz em relação à Marta que se encontra muito atarefada. Como Jesus conhece os corações, certamente sabia que Marta necessitava mais de contemplação do que de ação. Era justamente o que Maria estava fazendo.
Podemos ir um pouco mais adiante neste fato e tentarmos imaginar como seria a vida concreta de Maria em relação à Marta? Certamente ela teria mais condições de enfrentar as situações de seu dia a dia de uma forma mais clara e tranquila do que Marta que necessitava de maior escuta.
Hoje estamos carentes de escuta da Palavra de Deus. Preocupamo-nos em conhecer a ela, ou nem isto, nos perdemos em ações e reuniões não nos recordando que esta Palavra é vida. Ela precisa passar pelo nosso coração. A exegese sem a mística se torna vazia.
A contemplação deve complementar a ação e vice versa. Quando rezamos sabemos exatamente o que o Senhor quer de nós. A oração humilde é um processo de redescoberta de nossa identidade muitas vezes perdida pelo excesso de ativismo.

Resultado de imagem para marta e maria

"Senhor Jesus, ajuda-nos a viver a vida de oração ligada ao que vivemos em nossa vida concreta”.